Amado pelo mundo todo e com centenas de variações, o pão é um clássico da culinária ao redor de todo o planeta. Seja ele todo macio, com casquinha crocante, doce ou salgado, com ou sem recheio… não importa qual o tipo: pão é sempre muito bem-vindo. 

E apesar da base ser quase sempre a mesma, existem vários fatores que interferem no sabor e textura final do alimento. Por isso, hoje vamos compartilhar com vocês os tipos de pães mais famosos aqui no Brasil e as diferenças entre cada um deles! Confere aqui a lista: 

PÃO FRANCÊS OU PÃO DE SAL

Foto: Nathália Rosa

Apesar de ter “francês”, no nome, o pão de sal na verdade não é de origem europeia! Pelo contrário, essa foi uma criação brasileira – apenas inspirada nos tradicionais pães franceses. Basicamente, famílias europeias que vinham para o Brasil para conhecer o país pediam aos cozinheiros que reproduzem a versão francesa do pão. 

No entanto, sem medidas e ingredientes exatos ou iguais aos europeus, o resultado nunca era o mesmo. Foi nessa onda de tentativas que o pão mais consumido pelos brasileiros foi criado! Hoje, ele é conhecido principalmente pela casquinha crocante e miolo branco e macio, preparado com base de farinha de trigo, água, sal, açúcar, fermento e algum tipo de gordura vegetal.

BAGUETTE

tipos de pães
Foto: Mae Mu

E já que mencionamos a baguete ao falar de pão francês, nada melhor do que explicar um pouco desse produto. Diferente do nosso pão de sal, a baguete tradicional não leva açúcar, além de ter o formato mais alongado e achatado. Há também semelhanças com o nosso pãozinho de cada dia, como a casca crocante e sequinha e o miolo fofo. 

Pelo que se sabe, esse tipo de pão surgiu por volta de 1793, quando a Convenção Francesa decidiu instituir um tipo de pão padrão no qual todos os cidadãos teriam direito. Seu sucesso teve alguns altos e baixos, mas hoje a baguete é definitivamente um dos símbolos da França!

PÃO SÍRIO

Foto: Sweet Simple Vegan

Da Europa para o Oriente Médio, vamos ao pão pita! Também chamado de pão árabe ou pão sírio, esse é aquele pãozinho chato, com massa fina e miolo oco -como se formasse duas folhas de massa. Também é um dos acompanhamentos mais comuns para o tradicional hummus, que nada mais é do que um tipo de “patê” à base de grão de bico. 

Tudo indica que o pão pita esteja entre os tipos de pão mais antigos do mundo, já que ele possui um preparo bem simples e leva ingredientes básicos. E sua fama não é à toa: além de ser uma massa leve, mas que traz saciedade, esse tipo de pão tem uma quantidade menor de calorias e de gordura. 

PÃO DE FERMENTAÇÃO NATURAL

Foto: Debby Ledet

Também não podemos deixar de falar de outro clássico que tem se popularizado ainda mais nos últimos tempos, o pão de fermentação natural. Ele leva esse nome porque não leva fermentos químicos ou biológicos, mas sim o levain – um fermento caseiro feito com apenas farinha e água. 

Diferente de outros pães, essa opção é mais aromática e conta com uma acidez um pouco mais acentuada, justamente por causa do levain. O resultado final da massa é sempre o mesmo: um pão mais rústico, com casca grossa e miolo bem aerado. E, é claro, um sabor inconfundível. 

PÃO ITALIANO

Foto: Karen’s Kitchen Stories

Apesar de ter a base similar a todos os outros pães, o diferencial do pão italiano está no processo de fermentação. Ao contrário da regra para um pão macio e fofinho, essa versão não é sovada por muito tempo, passando somente por alguns processos de dobra.

Por isso, uma das características desse pão é a casca mais grossa, mas com o miolo ainda assim macio e fofinho. Na Itália, ele é chamado de pane casereccio, que quer dizer pão caseiro em português 😉

PÃO DE FORMA

Foto: Sally’s Baking Addiction

Sempre que vemos um pão bem macio e fatiado já lembramos dele, o pão de forma! Ele é o campeão de receitas de sanduíche e rende lanches sempre deliciosos – desde os servidos frios até aos bem quentinhos. 

O produto existe desde 1912, quando o americano Jeweler Otto Rohwedder descobriu como fatiar o pão em escala industrial. Mas, foi só em 1960 que essa delícia se tornou popular, já que passou a ser embrulhada em um saco plástico – aumentando o seu tempo de conservação. Se estiver em busca de receitas com pão de forma, aposte nessa torta fria com patê de atum!

PÃO AUSTRALIANO

Foto: Alyonas Cooking

Você provavelmente já deve ter visto ou experimentado o clássico pão australiano, conhecido por ter um sabor levemente adocicado e ser bem marrom. Apesar do nome indicar que ele vem da Austrália, o pão na verdade não tem ao certo uma origem bem definida. Mas, de uma coisa todo mundo sabe, ele faz um sucesso no Outback!  

O segredo para a massa tão diferente está no uso do açúcar mascavo, um pouco de cacau e mel e até extrato de malte, além da farinha. Ele é bem fofinho e fica uma delícia acompanhado por uma manteiga bem cremosa, assim como a da rede de restaurantes 😉

BRIOCHE

Foto: Flamboesa

Outro clássico francês na nossa lista! O brioche existe desde 1400 e, assim como o pão de forma, é uma variedade super macia, porém mais amanteigada e untuosa. A junção do ovo com a gordura da manteiga é o que resulta na leveza e maciez do pãozinho, que é famoso desde os tempos da Idade Média. 

Ele é similar ao pão de leite, que também se desfaz na boca e conta com a massa bem leve e suave. Então, sempre que estiver procurando por um pão que contenham essas características, aposte nesses dois 🙂

PÃO DE QUEIJO 

Como não amar o nosso famoso pão de queijo? Tá certo que ele não é exatamente um pão, mas ele não poderia ficar de fora da nossa lista! Essa delícia mineira foi criada lá pelo século XVIII e até hoje é um sucesso. 

A massa é lembrada principalmente por conter polvilho azedo e polvilho doce, que obrigatoriamente precisam ser escaldados para garantir a textura do pão de queijo. Mas, hoje já contamos com variações tão gostosas quanto a versão original, como a massa com batata ou recheio de bacon. Quem aí aceita um pedaço? 

***

E então, também ficou com vontade de saborear um pão bem fresquinho? Se estiver com vontade de preparar um em casa, confere antes essas dicas para o pão caseiro perfeito!