Estou gostando de viver em Paris porque o clima é bastante semelhante ao de São Paulo: completamente bipolar! Tem dia que está muito quente e outros que faz um baita frio, e tem dias que você presencia as 4 estações do ano em 24 horas! Tem como não amar?

A dia da última degustação, pra variar, me pegou de surpresa. Foi um dia frio pela manhã mas lá pra hora dohappy hour o céu estava azul e passava dos 20C. Não tive dúvidas e escolhi um vinho branco!

FOTOS: Paulo Cuenca – INSTAGRAM @paulocuenca

Quando eu trabalhava vendendo vinhos no Brasil eu sempre ficava muito triste quando em meados de Janeiro, temperatura lá pelos 30 e poucos graus, aquele sol de fritar ovo no asfalto, e eu oferecia um vinho branco para meus clientes esfriarem a cuca e ouvia, sistematicamente: “Vinho branco? Credo! Acho horrível! É coisa de mulher! Macho bebe só vinho tinto encorpado!”. E eu sempre perguntava: “Ah é? Por que? Quais você já provou?”. A resposta era quase sempre “Aquele vinho alemão da garrafa azul, doce e horrível”. Poxa vida! Isso foi há 20 anos atrás, não? Pessoal, seguinte: a indústria do vinho já mudou e muito! Hora de acabar com os preconceitos!

Os vinhos brancos disponíveis hoje em dia no mercado são das mais variadas uvas e procedências! Temos vinhos brancos secos e leves, secos e encorpados, frutados, minerais, cítricos, amanteigados… têm para todos os gostos! Prometo! E outra boa notícia: pode beber geladinho, com temperaturas entre 7 e 12C! Tem coisa melhor do que isso para o verão brasileiro?

vinhota2.6Antes de falar do vinho que eu escolhi eu vou falar do queijo porque eu acabei escolhendo o vinho por causa do queijo. Desde os tempos da escola de gastronomia eu tenho verdadeira obsessão por queijos de cabra. Na minha família nunca tivemos o hábito de consumir nada de cabra, além da carne. O queijo de cabra foi uma revelação na minha vida quando provei pela primeira vez na faculdade! O primeiro que provei era aquele de massa fresca, que vem em bolinhas numa embalagem com azeite ou óleo e pimenta rosa. Tinha uma textura deliciosa, uma acidez muito interessante e um sabor…. Huuummmmm!!!!! Infelizmente a variedade de queijos de cabra no Brasil ainda não é lá grandes coisas. E o preço então? Muitos dos que vinham eram importados, mas hoje eu sei que já existem diversos produtores de queijos de cabra no Brasil.vinhota2

Bom, como a França também é conhecida como “Queijolândia” eu quase tive um surto psicótico quando vi a variedade de queijos de cabra nos mercados daqui. É demais pro meu coração! Todos os dias da minha vida eu como queijo de cabra aqui! E claro, cada dia quero um!

Passando por uma Fromagerie por aqui perto eu entrei e vi um queijo de cabra que tinha uma carinha muito simpática que se chamava Chevrot. O Chevrot é da região de Deux-Sévres, que fica no Vale do Loire, uma região bastante especializada em queijos de cabra e a minha mais nova melhor amiga de infância. Esse é um queijo feito com o leite de cabra cru e a base dele prensada e não cozida. O interior do queijo é mole, de textura fina, cor branquinha e paladar untuoso. A casca dele contém a flora natural do leite de cabra, isto é, é meio peludinha (ixi) e tem uma cor mais amarelada.

Resumindo, este é um queijo leve e que tem uma acidez mais marcada. Sendo assim, resolvi escolher um vinho que tivesse uma acidez compatível e que fosse igualmente leve, para completar o happy hour com tempo bom: um Sauvignon Blanc do Vale do Loire! A uva Sauvignon Blanc é bastante conhecida no mundo e é uma das brancas francesas mais difundidas também! Bom para nós, consumidores, que podemos disfrutar de um bom Sauvignon Blanc não importa da onde!

Como o queijo era do Vale do Loire eu quis fazer uma brincadeira e fiz uma “harmonização regional”. A harmonização regional nada mais é do que uma bebida de determinada região combinada com uma comida da mesma região! Tipo, feijoada com capirinha, sabe? Não tem combinação melhor!

O Sauvignon Blanc do Vale do Loire é super leve, fresco, frutado, tem aquele ar de “vinho para tomar a beira de uma piscina com os amigos em um dia quente de verão”, possui praticamente a mesma acidez do queijo e, juro, fica insano de bom com queijos de cabra! Eu escolhi um excelente custo-benefício aqui, o Quincy AOC do produtor David Paepagaey, que era de 100% Sauvignon Blanc, tinha 12,5% de álcool e não passou por estágio em barrica de carvalho para que o frescor e acidez da fruta fossem conservados. Se não encontrarem esse produtor no Brasil, não criemos pânico! Você poderá solicitar em qualquer loja ou importadora de vinhos um Sauvignon Blanc do Loire ou então um Sauvignon Blanc do Chile ou da Argentina que possuem excelente qualidade e preço!

O Chevrot também pode ser um pouco difícil de ser encontrado, mais provavelmente em mercados ou empórios especializados em produtos importados. Se não for possível escolha qualquer queijo de cabra fresco! Vai ficar uma delícia também!

Ah, outra coisa importante! Eu falei muito hoje sobre acidez… e as pessoas morrem de medo de encontrar ela no vinho! Calma! Calma! Calma! A acidez é um elemento essencial para um vinho! Um vinho sem acidez alguma é um vinho com defeito e de baixa qualidade! A acidez do vinho ajuda a limpar o paladar e a realçar o sabor dos alimentos.

vinhota2.5

Pela foto vocês devem ter percebido que a sabidona aqui conseguiu quebrar a rolha… É, pois é. Já aconteceu com vocês? Alguém me chamou na hora, eu me distraí, falei um “Hããã?” e quando eu vi metade da rolha tinha ficado no gargalo. Eu sou profissional em quebrar rolhas! Mas aprendi com meus erros também… Seguinte, sempre que a rolha quebrar na hora que você estiver abrindo não empurre ela para baixo. Muito delicadamente você pode perfurar a rolha novamente com o saca rolhas, tomando cuidado pra não empurrar ela pra dentro da garrafa e puxar com bastante cuidado. Não tem erro! Ou então prestar atenção no que você está fazendo…

Por fim, desejo a todos um excelente final de semana com muito sol, Sauvignon Blanc geladinho e queijo de cabra! E um beijo especial e muita sorte para os machões e machonas de plantão enfrentarem esse verãozão adiantado do nosso Brasil varonil bebendo vinho tinto encorpadão!