Por enquanto nós só temos compartilhado as coisas mais incríveis e diferentes de San Blas. No entanto, nem tudo é tão perfeito assim. Infelizmente, algumas partes desse paraíso natural ficam sujas por causa do lixo que é trazido pelas correntes do Pacífico que se juntam com o lixo produzido pelos turistas. Não é algo que te impeça de curtir a praia e se encantar pela paisagem, mas a longo prazo pode se tornar um problema maior.

Grande parte das ilhas não possui latas ou sacos de lixo. Os turistas devem ter a consciência de levar os seus saquinhos e deixarem o lixo nos barcos. A limpeza dos lugares depende dos kunas que cobram sempre 2 dólares por turista para deixar a ilha limpa – esse valor normalmente já está incluso nas diárias de veleiro.

Ilha deserta em Coco Bandero (Foto: Paulo Cuenca)

Como nem o congresso kuna nem o governo do Panamá resolvem esse problema, a própria população que tenta solucionar essa questão. No caso das latas, os kunas juntam uma boa quantidade e vendem para navios junto com os cocos. Os papéis e os plásticos ficam acumulados no chão e eles esperam até que todo esse material fique bem seco. Depois disso, queimam tudo nas ilhas mesmo. Esse processo de espalhar o lixo no chão para queimá-lo também contribui bastante para a aparência de sujeira em algumas áreas – isso sem contar o fato de que a qualquer momento pode bater um vento mais forte e espalhar lixo para todos os lados.

Ah, em relação ao lixo orgânico, eles jogam tudo no mar, já que não tem tanto problema assim. No geral, algumas ilhas são mais limpas do que outras e, infelizmente, as mais desertas costumam ser bem sujas, porque não tem quem cuide do lixo que é trazido pelas correntezas :/ Essa questão também varia de acordo com a família de kunas responsável pela ilha. Algumas delas são muito bem cuidadas, como é o caso de Morrodup, mas outras ficam realmente “largadas”. Outro fator que contribui com a sujeira é o vento, mas isso varia muito. Uma ilha que eu e o Paulo consideramos suja pode ter uma aparência bem melhor se o vento soprar em outra direção.

Apesar da falta de infraestrutura e de opções para o descarte correto de todo esse lixo, todos nós temos responsabilidade. Como falei, a maior parte do lixo vem pelas correntes marítimas, então,  qualquer item jogado nas ruas e praias ao redor do mundo podem ir parar ali. Kuna Yala é só um dos locais onde o problema aparece, mas não é novidade que cada ação nossa por aqui causa um impacto no planeta. Melhor cuidar do nosso lixo antes que paraísos desprotegidos como esse desapareçam ou sejam tomados por sujeira, né?