Alguém viu por aí plaquinhas nas janelas dos restaurantes pelo Brasil dizendo algo como “Le Beaujolais Nouveau est arrivé!” ou em bom português, o Beaujolais Nouveau chegou?

Ao menos em São Paulo essa tal plaquinha se tornou algo bastante comum nos últimos anos. O Beaujolais Nouveau virou uma febre comercial no Brasil e tem sido disputado a tapas.

Mas, o que é o tal Beaujolais Nouveau? O Beaujolais é uma região que fica ao sul da Borgonha na França e produz vinhos com uma uva chamada Gamay. A uva Gamay é um uva bastante fresca, leve e frutada e geralmente não dá vinhos de grande complexidade e que também não servem para serem guardados. Ou seja, boa parte dos Beaujolais são vinhos para serem consumidos ainda jovens. Existem alguns vinhos da região de Beaujolais chamados Fleurie, Brouilly e Moulin a Vent que são ainda vinhos superiores e, dependendo do produtor, podem ser vinhos de guarda. Mas este não é o caso do Beaujolais Nouveau. O Beaujolais Nouveau é na verdade um vinho que simboliza o final das colheitas de uvas na França, fermentado por somente algumas semanas antes de ser engarrafado e colocado à venda. Grosso modo, isto quer dizer que o vinho não teve tempo de se desenvolver apropriadamente, não terá grande complexidade aromática e de paladar e por fim não terá nenhum potencial de guarda. Resumindo, o Beaujolais Nouveau é um vinho simples, com acidez moderada, leve no paladar, com poucos taninos e com um aroma muito típico de… bananas!

O lançamento deste vinho é sempre na terceira quinta-feira de Novembro e marcado por celebrações na região. Aliás, as celebrações do Beaujolais Nouveau ficaram tão famosas que o vinho hoje é exportado por todo o mundo e bastante requisitado. Todos querem fazer parte das festividades francesas!

Agora, na minha opinião, a fama deste vinho é bastante duvidosa. Eu já comentei que este é um vinho simples, sem muitas firulas, e aqui na França eu vi o mesmo sendo divulgado em cartazes pelo metrô com preços a partir de 3 euros. Bom, 3 euros hoje em dia não dá nem R$10,00. Um vinho de 3 euros aqui na França é um vinho bastante popular mas vale lembrar que para os franceses todo dia é dia de beber vinho, mas vinhos de “dia a dia”. Ou seja, consome-se sim muitos vinhos populares e o Beaujolais Nouveau é um vinho de “dia a dia”. Com ou sem crise econômica, eu ainda não vi muitos franceses investirem grandes somas em vinhos para se consumir todos os dias. Eles compram vinhos especiais sim mas, como o resto do mundo, os consomem em datas também especiais. A grande diferença é que aqui na França existe uma grande quantidade de vinhos de excelente qualidade a preços baixos.

Há quem diga ainda que o Beaujolais Nouveau é um “piquette”. Um “vinpiquette” é na verdade um vinho leve, jovem e de baixa qualidade. E bom, eu disse que este vinho é exportado e celebrado por todo mundo e no Brasil não poderia ser diferente. Mais curioso ainda é o grande interesse dos consumidores por este vinho, fazendo com que os estoques dos importadores se esgotem antes mesmo do vinho chegar ao país. E olha que, dada a quantidade de impostos colocados em produtos de luxo, este vinho jamais terá um preço compatível com a sua qualidade. Eu dei uma breve pesquisada na internet e os preços este ano estavam entre R$ 75,00 e R$ 100,00! Como a produção e venda deste vinho é limitada, o preço acaba se elevando ainda mais!

Na minha época de vendedora todos os anos eu observava o estresse da logística, dos vendedores e dos clientes ao redor deste vinho. Agora, meu povo brasileiro, eu sei que a economia do nosso país está a mil por hora, que o pessoal está empregado e com um acesso a créditos sem fim, mas jura que vale a pena se estapear por um vinho “piquette”?

Não estou dizendo aqui que o Beaujolais Nouveau não vale a pena ser consumido, pois eu conheço muita gente que ama este vinho. E, novamente, gosto é gosto. Mas eu realmente acho que está na hora dos brasileiros reverem seus conceitos, com relação a ícones de consumo…