Não importa qual a forma, o recheio ou o tamanho: pão caseiro é sempre uma delícia! No entanto, conseguir preparar uma massa macia, fofinha e com a casquinha crocante perfeita pode ser muito desafiador – principalmente para os padeiros de primeira viagem.

Então, para você evitar os erros mais comuns na hora de preparar um pão, selecionamos os sete mais comuns. Sabe aquele ditado de que você aprende com os erros? Aqui, a gente te conta quais são eles para você já começar com uma base de conhecimento melhor. 

FERMENTO ERRADO

Foto: Drizzle and Dip

Esse é um dos erros de principiante mais comuns. Toda massa de pão pede por fermento biológico, que nada mais são do que leveduras vivas responsáveis pelo crescimento da massa. Quando ativados, esses microrganismos se expandem em contato com os outros nutrientes, deixando o pão crescido, macio e aerado. 

Apesar das receitas serem claras quando pedem por esse tipo de fermento em específico, muitas pessoas acabam o substituindo pelo fermento químico. Porém, esse outro tipo de fermento é usado para bolos e não faz com que a massa do pão cresça. A única substituição permitida entre fermentos é entre fermento biológico fresco e fermento biológico seco, combinado? E se quiser saber mais sobre a diferença entre o químico e o biológico, é só apertar aqui.

ÁGUA OU LEITE QUENTES DEMAIS

Foto: Journey Kitchen

Como mencionamos no tópico anterior, o fermento biológico é composto por pequenos seres vivos. Quando compramos o fermento no mercado, esses microrganismos estão em uma espécie de “hibernação” e precisam ser ativados com o calor da água ou do leite.

Mas, quando falamos de calor, não queremos dizer líquidos fervendo! Muito pelo contrário, o fermento precisa ser ativado com líquidos mornos, já que aqueles muito quentes acabam matando as leveduras. Sendo assim, antes de despejar esses ingredientes na massa, certifique-se de que eles não estão quentes demais. 

CUIDADO COM O SAL

Foto: Anna Banana

Já mencionamos essa dica em outro post aqui no site com recomendações para o pão perfeito, mas não custa nada reforçar. O sal contém agentes que minimizam o efeito dos fungos que compõem o fermento, por isso, coloque o sal sempre por último, junto com a farinha. Só tome cuidado para não se esquecer do ingrediente, já que ele é fundamental para termos um pão saboroso e equilibrado.

PROCESSO DE SOVA

Foto: Cook Republic

Sim, eu sei que sovar a massa é cansativo. No entanto, essa técnica é essencial para que o pão desenvolva glúten e cresça. Nesse caso, deixe a preguiça de lado e coloque toda sua força, amor e carinho para esse processo – que leva bons minutos.  

Sovar pouco a massa resulta em dois grandes erros: ela pode não crescer como deveria ou ficar dura como pedra depois de assada. Então, para evitar que isso aconteça, você já sabe: amasse, dobre, empurre e sove bem o seu futuro pãozinho.

TEMPO DE DESCANSO

Foto: Farina Lievito e Fantasia

Depois de todo o cuidado com a sova do pão, chegou a hora de deixar sua massa descansar. Esse tempo é fundamental para que o fermento aja, deixando a massa bem estufada. O ideal é que ela dobre de tamanho, então vale até tirar uma foto de um antes e depois para saber se ela descansou tempo suficiente. 

Geralmente as receitas já revelam quanto tempo é necessário para que a massa cresça – que costuma ser em média de uma a duas horas. Além disso, não se esqueça que esses processos de fermentação mais rápida pedem por um lugar mais escuro e quentinho. As leveduras do fermento gostam de aconchego!

Para fermentações mais lentas, que deixam o pão mais crocante, você pode guardar a massa bem embrulhada dentro da geladeira e esperar por pelo menos 12 horas. O fermento será ativado normalmente, mas irá demorar mais para concluir seu trabalho. 

NÃO LEVAR O CLIMA EM CONSIDERAÇÃO

Foto: Bessie Bakes

Pode parecer besteira, mas prestar atenção no clima quando for preparar um pão caseiro é de extrema importância. Isso acontece porque a temperatura e a umidade do ar interferem diretamente na textura da massa e na ação dos ingredientes quando colocados juntos. 

Basicamente, a regra é simples: em dias mais úmidos e chuvosos, muito provavelmente a massa precisará de mais farinha que o normal. Deste modo, acrescente os ingredientes aos poucos até a massa ficar no ponto descrito. 

Quanto a temperatura, em dias mais quentes o pãozinho cresce mais rápido – porque, como já falamos, os microrganismos do fermento adoram um calorzinho. Mas, se o dia estiver frio, deixe a massa descansando por mais tempo, já que as leveduras ficam mais preguiçosas em dias com temperaturas amenas. 

FORNO

Foto: Monika Grabkowska

Não é à toa que receitas contam com temperaturas precisas para o pré-aquecimento do forno e para o cozimento da massa. Sendo assim, respeite essas medidas. O forno muito quente ou muito frio afeta no crescimento da massa, podendo deixá-la com a casca muito grossa e dura, com o miolo cru ou o pão duro por completo. Leia com atenção as instruções da receita e evite esses problemas 😉

***

Preparados para preparar pães sem erros? Comentem aqui se ficaram com alguma dúvida!