Olá pessoal, tudo bem?

Hoje vamos falar sobre um assunto bem colorido! Você sabia que existem vários tipos de corantes? Pois é! Vamos começar falando dos NATURAIS, que são aqueles provenientes de vegetais, e, eventualmente, de animais.

Esse tipo de corante é o mais acessível e saudável. Ele pode até ser um dos ingredientes da sua receita e, além de acrescentar sabor, ele possui uma “segunda função”: a de colorir o prato. Cenoura, abóbora, beterraba, amora, framboesa, espinafre… Todos esses ingredientes podem se transformar em corantes!

Foto: Receita completa

O suco coado das frutas e vegetais já possuem uma cor bem impactante, mas para quem quiser intensificá-las basta reduzir o suco em uma panela em fogo baixo. O corante natural fica mais espesso e só um pouquinho dele já é suficiente para colorir suas receitas. O Coulis também pode ser usado em algumas receitas, viu? Já temos até post sobre isso aqui no site 😉

O fato é que substâncias naturais são extremamente saudáveis, mas também são instáveis e degradam facilmente quando submetidas à variações de temperatura, pH e exposição à luz. Por esse motivo, aquela massa do bolo de cenoura linda e laranja quando cru, após ir ao forno, já não está assim tão vibrante.

Foto: Receita completa

Já que a associação do sabor à cor é real e influencia diretamente na percepção do alimento e na experiência sensorial que o consumidor terá, entra a necessidade de se ter um corante resistente a esses extremos, principalmente na indústria.

Os corantes são aditivos alimentares definidos como: toda substância, ou mistura delas, que tem a capacidade de conferir, intensificar ou restaurar a coloração própria do alimento. Eles devem estar descritos nos rótulos, naturais ou artificiais, então é só ficar de olho.

Ao falar sobre os tipos menos naturais de corantes, encontramos os CORANTES SINTÉTICOS IDÊNTICOS AOS NATURAIS. Eles são sintetizados em laboratório, mas suas estruturas são semelhantes aos naturais – sim, isso é possível, mas eles não são tão saudáveis quanto os verdadeiros. Por outro lado, eles são mais estáveis que os naturais e menos que os artificiais.

Foto: Receita completa

E por último, os mais usados, mais estáveis e resistentes e menos saudáveis: os CORANTES ARTIFICIAIS. São sintetizados em laboratório a partir de compostos químicos, não necessariamente semelhantes aos naturais. Assim sendo, é possível produzir desde cores que não existem na natureza, como o azul, por exemplo (os naturais sempre são misturas do verde e amarelo) até cores radioativas.

Agora é só colocar em prática e escolher o tipo de corante mais adequado para suas preparações.

Espero que tenham gostado.

Até logo.

Beijão,

Cella (Marcella Coser)