Um dos países que está na minha wishlist de viagens há muito tempo é o Japão. Além da cultura encantadora, não podemos deixar de falar nas paisagens naturais surreais do país. Aliás, muita gente associa o Japão apenas com os lugares mais metropolitanos, no entanto, ele vai muito além de cidades grandes e ruas super movimentadas, como o famoso Monte Fuji.

Por ser um local bem diferente do que estamos acostumados a visitar, é comum surgirem inúmeras dúvidas, né? Elas aparecem principalmente quando vamos planejar um roteiro mais aprofundado para a viagem. Para ajudar vocês durante os preparativos para esse passeio incrível, fiz um compilado com dicas essenciais sobre o Japão – que espero usar em breve 😉

Quando ir

Foto: Jade Jady

Como em todo lugar no mundo, a época que você deve ir depende muito da sua preferência. As estações no Japão são bem definidas, por isso você consegue escolher bem qual delas será a ideal para a programação que você pretende fazer. Para escalar o Monte Fuji, por exemplo, a melhor época é o verão, que acontece entre final de junho e agosto.

A primavera, que acontece entre março e junho, é considerada alta temporada na maioria das cidades do país, principalmente por causa das cerejeiras. Há quem diga que o melhor mês para ver as ruas toda floridas é abril, então é uma boa levar isso em consideração se você sonha em ver as famosas sakuras. O outono, que começa no final de agosto e vai até o final de dezembro, também é uma ótima época para quem curte árvores com cores diferentes e paisagens mais coloridas.

O inverno deixa as ruas e construções com aquela cobertura de neve super charmosa, né? É uma boa opção para quem curte climas um friozinho e adoram esquiar! Além disso, um dos passeios mais procurados nessa época do ano é a visita aos macacos das neves em Jigokudani.

Documentação

Foto: @itchban

A entrada de brasileiros só é permitida no Japão se eles estiverem com visto. O visto para uma entrada no país custa 86 reais (valor válido até março de 2019). Não é um valor muito alto, principalmente se compararmos com o visto americano, que já custa mais de 500 reais! Para que tudo dê certo na emissão do documento, não deixe de ter as passagens compradas de ida e volta e um cronograma da sua viagem, porque eles são documentos exigidos pela própria embaixada.

Outra coisa que eu recomendo para vocês é levar dinheiro em espécie. Eles aceitam, sim, cartão de crédito e débito, mas alguns lugares podem acabar tendo apenas o dinheiro como forma de pagamento. Para garantir que você não passe nenhum sufoco, não custa nada andar com um pouco de dinheiro, né? As cidades são super seguras e dificilmente você terá algum problema quanto a isso.

Locomoção pelo país

Foto: Shael

Eu quase sempre falo para vocês que alugar carro é a melhor opção. No entanto, Japão é um caso à parte. O sistema de transporte público deles é super eficiente, sendo que o trem te leva a cidades do país inteiro, desde a ponta norte até o sul. Para você conseguir fazer todos os trajetos necessários, a melhor opção é comprar o Japan Rail Pass. Ele é um pouco caro, mas sua validade é praticamente ilimitada e você pode usá-lo em todo o país.

Esse passe te dá acesso ao Shinkansen (trem-bala) e também aos trens comuns. Você pode escolher de quantos dias será esse cartão: 7, 14 ou 21. É importante que você chegue no Japão com esse passe comprado, porque ele não é vendido por lá. O pedido pode ser feito pelo próprio site da Japan Rail Pass ou por alguma empresa especializada, como no caso da Gema Turismo.

O transporte ferroviário te leva para a maioria das principais cidades do país: Tóquio, Osaka, Hiroshima e Kyoto. É essencial que você já vá com um roteiro planejado, assim a viagem se torna mais fácil e fica bem mais prático para você saber o trajeto que será percorrido.

Aprenda algumas palavras básicas

Foto: Redd Angelo

Pode parecer besteira, mas não deixe de aprender pelo menos algumas expressões básicas em japonês. Não é novidade para ninguém que uma das principais características dos japoneses é a educação. Por esse motivo, é interessante saber falar pequenas frases e palavras, mostrando que você realmente se importa com a cultura deles e está se esforçando para manter a comunicação.

Já que estou aqui para ajudar vocês, separei algumas palavras essenciais: arigato gozaimas (muito obrigado), onegai chimas (por favor), sumimassen (com licença) e Icura des ca? (quanto custa?). Vocês irão escutar muitos “irashaimase!” em frente a lojas – a expressão significa bem-vindo e é um modo de chamar a atenção do cliente.

Nem todo mundo por lá fala inglês, por isso você pode ter alguns problemas quanto a isso. Confesso que acho até mesmo divertido quando esse tipo de situação acontece, porque temos que acabar usando mímica ou o nosso bom e velho Google Tradutor. Os japoneses são bem prestativos e irão te ajudar com o que puderem 🙂

Culinária

Foto: Chopstick Chronicles

Um dos pratos mais populares por lá é, sem dúvida o lámen. Essa “sopa” também é fácil de ser encontrada em bons restaurantes japoneses do Brasil, mas não há nada melhor do que experimentar o prato no seu verdadeiro local de origem, né?

O sushi e o sashimi, que estão sempre entre as comidas da culinária japonesa mais conhecidas por aqui, são alimentos muito tradicionais, porém custam um pouco mais caro. Frutos do mar também fazem parte de boa parte dos pratos japoneses, por isso tome cuidado caso você seja alérgico a alguma coisa.

Não deixe de provar os doces japoneses. Eles costumam ser deliciosos e a maioria deles não é muito enjoativa. Os crepes e os wagashis são os mais comuns por lá. Várias sobremesas possuem no recheio ou na massa o anko, que é uma pasta doce feita do feijão japonês azuki. Vale a pena experimentar!

Comportamento

Foto: Redd Angelo

Algumas “manias” dos japoneses podem parecer bem estranhas para nós, mas devemos respeitá-las e seguir o que eles esperam de todos. Afinal, a experiência de estar em um país diferente se torna ainda mais rica quando realmente entendemos o modo de vida dos moradores daquele local.

Uma das principais coisas que você irá notar é sobre falar alto. Pode parecer difícil para nós que costumamos sempre fazer barulho e usar um tom de voz mais alto, mas tente se conter ao máximo por lá. Não importa onde você estiver, tente sempre manter a fala mais baixa e não ficar apontando muito para os lugares 😉

Ah, dependendo de onde você for, eles irão pedir que você tire os sapatos antes de entrar no espaço. Alguns lugares até mesmo te dão uma espécie de “luvinha” descartável para os pés. Outra coisa que estamos acostumados a fazer, mas que não é aceito por lá é a gorjeta. Eles podem achar até mesmo ofensivo, então não pague mais do que você deve!

***

O Japão é um país incrível, desses que te dá vontade de conhecer a maior quantidade de lugares possíveis, sabe? Enquanto nossa viagem para lá ainda não se concretiza, vocês podem assistir aos vlogs de outras viagens nossas!